2 de abril de 2018

Páscoa 2018

A Páscoa para nós é sinónimo de dia em família e não de férias, os dias que antecedem servem na maior parte dos anos para fazer limpezas de inicio de primavera, limpar o que durante o inverno não deu ou o que o próprio inverno sujou.
Por aqui páscoa não é sinal de férias como na maior parte do país, por aqui as tradições são muitas e eu cada vez gosto mais delas, penso que com o passar dos anos vamos vendo beleza em coisas que achávamos uma perda de tempo noutras idades.

Gosto de por a casa bonita e as flores cá em casa não podem faltar, este ano as tulipas foram rainhas. Gosto de pensar numa roupa mais especial e as lembranças que tenho de quando era criança era de unhas pintadas de vermelho e de sapatos de verniz novos. Nunca me hei-de esquecer disso. Acordava ansiosa na manhã de domingo de páscoa e olhava para unhas e ficava feliz, depois levanta-me e só queria era vestir a roupa nova. Foram outros tempos que agora os nossos filhos não sabem como era bom esses pequenos bocadinhos de alegria, embora eu tente sempre mostrar à Ema que há muitos que por exemplo nem um bocado de pão têm para comer.

Foram 4 dias que passaram a voar, mas que resultou nestas imagens cheias de amor.






















Um xi coração...

27 de março de 2018

Árvore da Páscoa

A árvore da Páscoa é montada com um galho seco, que simboliza a frieza e morte do sepulcro de Jesus Cristo.
No galho são colocadas cascas de ovos coloridos, que simbolizam a alegria da vida que significa a Ressurreição do Senhor.
O ovo significa ou simboliza que há vida dentro dele e dali ela brota, apesar de estar escondida até o momento em que a ruptura acontece. Dentro do ovo está a vida.
A Páscoa é Vida, Ressurreição, Esperança e Alegria, apesar da Sexta-feira Santa com a crucificação de Jesus. “Eu vivo, vós também vivereis”, é a sua mensagem gloriosa.
A Osterbaum é assim apenas um símbolo, pois como cristãos deve-se celebrar e adorar ao Senhor e Salvador Jesus Cristo.
Esta é a nossa...

e este jeitinho de bailarina na ultima foto? :) 

17 de fevereiro de 2018

Serra da Estrela...a primeira vez da Ema na neve

Decidimos que este ano teríamos que mostrar a neve à Ema, achávamos nós que ela ia adorar e que se ia divertir muito.
Foi então que vi no fim de semana do carnaval uma oportunidade boa, visto que seria um fim de semana de 4 dias para nós cá em casa. Comecei a procurar estadia na zona para esses dias, mas como eu previa a procura foi muita e os melhores já estavam cheios ou eram demasiado caros para o que pretendíamos.
Acabei por procurar turismo rural que nos pode-se dar comodidades que os hotéis não podem entre elas ter um local para o fazer o leitinho da Ema e poder fazer refeições.
Acabei por encontrar a Quinta das Covas que me chamou a atenção pela linda decoração interior. É uma casa com dois pisos ou seja dois quartos que têm sala com lareira, cozinha  e espaço de refeição tudo na mesma área. A cozinha não é completa porque lhe falta fogão para cozinhar de resto temos tudo, uma pequena banca, frigorifico, micro-ondas, máquina de café, torradeira, cafeteira elétrica, louças, etc. Além disso tínhamos também o pequeno almoço que nos traziam de manhã à hora marcada numa linda cesta cheia de coisas boas...
Mas o melhor de tudo era a lareira em frente à cama, mas que privilégio poder usufruir dela e estar à noite os 3 na cama a olhar para o lume e a ouvir o trepidar da lenha ...

Quando lá chegamos já era fim de tarde e foi para nos instalarmos e descansar da viagem que tinha corrido bem mas que me tinha deixado muito triste porque vi com os meus olhos a tragédia que a nosso país viveu no ano passado com os incêndios. Vão poder ver nas fotos que toda a redondeza estava negra como carvão e aquilo era durante quilómetros e quilómetros que se percorria. Não há nada como ver com os nossos próprios olhos para cairmos na realidade. 

No segundo dia depois de acordarmos e tomarmos o nosso pequeno almoço maravilhoso partimos em direção à serra à procura da neve, mas não tivemos muita sorte porque era muito pouca e só lá em cima mesmo é que havia. Além disso estava gelada e muito perigosa porque estava dura e havia muito gelo, era quase impossível andar em certos sítios e isso fez que com a Ema não acha-se piada nenhuma, coisa que já me tinha ocorrido que poderia acontecer e aconteceu mesmo. Depois de várias tentativas para que ela pode-se achar piada acabamos por desistir e começamos a descer a serra pela vale glaciar do Zêzere que para mim é uma das zonas mais bonitas e paramos em Manteigas para almoçar já eram quase 3horas da tarde quando o fizemos. Havia muita gente nesse fim de semana o que também eu já previa e todos os restaurantes estavam cheios.

De seguida partimos para Seia e paramos na feira que lá havia do queijo e não resistimos a trazer umas recordações docinhas. Quando chegamos à nossa "casinha" já eram 7 da tarde e jantamos por lá, e descansamos no calorzinho da lareia. No terceiro e ultimo dia antes da nossa partida para casa ainda demos uma volta pela quinta para conhecer melhor o espaço exterior e verificar todos os estragos que o fogo tinha feito.

É tão avassalador ver toda aquela natureza morta e negra e pensar como aquilo era tudo verdinho e bonito. Como pode ainda não haver culpados por tamanho crime?? Aquela terra vai demorar anos a voltar ao que era e já não vai ser para o nosso tempo.
Mas não é por isso que devemos deixar de lá ir e fazer turismo porque mais que nunca aquelas gentes precisam que a sua encomia não pare e que as pessoas os visitem na mesma.

Fiquem com as imagens possíveis.


Um xi 💗